Seguidores

Caderno de anotações críticas

A atividade informativa é um garimpo de pensamentos, segundo qual nutrimos nossas opiniões ante o processo de construção humanística de nossas personalidades.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

A fome e algumas reflexões


Que é - realmente - a fome? Indagamos suspeitamente, fingindo que a conhecemos. Pensamos de barriga cheia - o que significa - para ousar explica-la, mas não conhecemo-la perfeitamente; quando muito, não conseguimos, ao menos, compadecer um prato de comida àquele que clama em nossas limpas portas.
Haverá solução para o problema da fome? Nações desenvolveram-se, aumentam suas arrecadações tributárias, elevam seus orçamentos, empresas lucram e negócios prosperam, mas será aquele indigente que padece faminto, um problema insoluvel? Ou então os países africanos onde o abastecimento de alimentos não chega ao ser humano, uma mera crise?
Devemos pensar um novo conselho para o conceito de agricultura, produtividade e direito social. O mundo atravessa um padrão civilizatório dispare para com o problema da fome nos dias de hoje. Não podemos pensar o desenvolvimento tecnológico, evolução da arte e tranformação da economia, sabendo que muitos não conseguem uma refeição por dia; o libelo é contra a humanidade e o contraditório é dos governantes.
O processo de exclusão oprime e afugenta as chances de muitas pessoas, ao passo que a especulação do poder de compra concentra a riqueza no bolso de poucos. Devemos, portanto, repensar o papel da justiça e resolver diretamente as consequências do abandono institucional do Estado, para com os excluídos e desvalidos, que vivem a margem da vida em sociedade.
Sabemos que os negócios financeiros rendem muito para grupos economicos no ramo da agricultura, talvez haja alguns que façam algo pelo pobre, pelo camponês ou pelo operário desqualificado; mas sendo assim, deve haver um compromisso expresso que contrabalance o lucro e a oportunidade justa para aqueles que sofrem.
Dentre o mais instrumentos fiscais como as grandes fortunas devem urgentemente ser tributados e revertidos para os povos de menor chance na escala socio evolutiva da economia. Tornar justa a economia e dar de comer aquele que tem fome, ou melhor, todos produzirem o seus sustentos conjuntamente, na medida de suas possibilidades.
Há desperdício de alimentos nas escolas que servem merendas, nos hospitais, nas cadeias públicas e nos restaurantes, porém adversamente, em países africanos a dieta por calorias de muitos cidadãos é deficiente, no sertão ena catinga brasileira também o é.


Urge uma solução que oferte pão e trabalho para o povo, escola e segurança. O padrão civilizatório assim exige, a evolução e o desenvolvimento norteiam esta transformação. Falamos de um progresso sustentável que pense o mundo, o meio ambiente e as pessoas, como folhas, flores e frutos de uma mesma árvora que estagnada, resseca dia após dia.

12 comentários:

OZNA-OZNA disse...

ojalá algún día despertemos y vemos que todos los niños tienen las mismas oportunidades en cualquier rincón del mundo para ser felices y tener una infancia como se merecen, esta asturiana y su marido te da infinitas gracias por visitar su morada y así darnos la oportunidad de conocer la tuya donde habitan letras sensibles y profundas de un sensible escritor, un besin muy grande mio , y un abrazo de mi marido.

Toyin O. disse...

Nice blog, thanks for sharing.

Carlos Galeon disse...

Vivimos en el más cruel de los mundos, y por eso pienso que hemos llegado a si final, porque es imposible continuar más lejos en la maldad e iniquidad del hombre. Todo va a cambiar, soy optimista con respecto a los movimientos que se están dando en España, y que deben de seguir copiados en todas las partes del mundo que llamamos desarrollado, para frenar el poder del dinero frente al del ser humano. Si lo hacemos juntos, no podremos ser vencidos, ganaremos la guerra, aunque perdamos batallas, porque nos asiste la razón, la justicia, y la solidaridad entre los pueblos hermanos.

Anna Jorba Ricart disse...

Te he visto en el panel de seguidores de mi blog.Gracias.
Pasaba a saludarte.

Nayara Borato disse...

Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Nayara e cheguei até vc através do Blog mundo suspenso. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir um blog do meu amigo Fabrício, que eu acho super interessante, a Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. A Narroterapia está se aprimorando, e com os comentários sinceros podemos nos nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs





Narroterapia:

Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.



Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.

http://narroterapia.blogspot.com/

mardson machado disse...

Olá!
Parabéns pelo seu blog! Muito bom.
Gostaria de aproveitar a visita para divulgar o meu blog. Trata-se do contra-afronta.blogspot.com, onde temas como política, cultura, comportamento e cotidiano são abordados, tendo como foco principal os problemas da cidade de Salvador.
Estou aguardando a sua visita.
Abraço!

Nathacha disse...

Fome... Um assunto figurinha repetida que ouvimos a todo momento... Lá vou eu fazer 21 anos e nada ainda mudou, háaa... Claro que mudou, o problema só piora e piora a cada dia, e a culpa disso? Pior que ainda, por absurdo que seja... A culpa é minha, sua, nossa, que votamos em pessoas, se eu pudesse falar "animais" que não se importam pois da "janela de sua casa a única coisa que se ver é a linha azul do mar."

Burguesia... Burguesia burguesia... Só no filé, tem o que quer e faz o que quer.

Seguindo

beijoos

Passa por lá


www.medicinepractises.blogspot.com

Bob West disse...

I found you on according to the book
great teaching! here is another blog I think you will like.
God Bless you, Bob West
http://westbob.blogspot.com/2011/03/reversing-your-thinking.html

Amor feito Poesia disse...

"Demore na dúvida ...
E descubra a sabedoria que insiste em se esconder
Na ausência das palavras!"

(Pe. Fabio de Melo)

Beijos e meu carinho...M@ria

Ingrid Müller disse...

Ótima postagem.
Me fez pensar e me emocionar.
Parabéns!

Obrigada pelo seu comentário no meu blog.
Estou te seguindo também.

Felicidades!

O que Cintila em Mim disse...

É ilusão pensar que este nosso mundo vai voltar a ser o Paraíso. O homem está por demais corrompido com o poder.

Malu disse...

Confesso que sua postagem me emocionou...
Um fato que existe por conta de ser de grande utilidade às políticas sociais...
O dia que acabarem com a fome e com a miséria estarão acabando também com as guerras e tantas outras formas de violências, meu amigo e isto não é interessante para os corruptos governantes...
Abraços

Translate

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

Quem sou eu

Minha foto
Navego à espreita do espaço urbano com pedaços de gravetos, os quais para não ser cinza, necessitam de esperança feito meu amanhã. Percorro a corrida pela sobrevivência, maquinada pela iniciativa da fé que ultrapassa os limites geográficos com sua cabeleira de contas e cálculos sem fim. Neste cortejo me proponho a mudar dia após dia, feito rocha desgrenhada nas saraivas do tempo.

Total de visualizações de página